quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O Pato

Coisa mais que usual em Angola, diria até que obrigatória, é haver um penetra em qualquer festa. Por cá, essas figuras são chamadas de "patos" e, geralmente, são os mais descontraídos e atrevidos do evento. Passeiam-se pelo cenário como se fossem íntimos dos anfitriões, contam anedotas, comem de tudo um pouco e ainda ralham com os empregados. Alguns chegam mesmo a dar palmadas nas costas dos mais velhos querendo saber se "tá tudo rijo".

Num desses cenários...

- Cumé, a festa tá bala?

- Mais ou menos. Os rissóis são de anteontem.

- O quê?

- Eu bem desconfiei quando vi o camarão a olhar pra mim meio de lado. Acho que queria me avisar.

- Mas os rissóis são frescos! Cumé você afinal?

- Acho que não. É a primeira vez que vejo rissóis com cheiro a chulé. E já mesmo o whisky...

- Mas qual é a maka com o whisky? É da Escócia.

- Hum! Só se o Congo mudou de nome. Quando se sacode o gelo, só falta mudar de cor.

- Mas quem é o senhor, afinal? Você é pato, né? É a primeira vez que vejo o senhor numa festa minha.

- Primeira e última
.

2 comentários:

Anónimo disse...

Que grande lata a do pato!
Gostei!
Bjs da MIAU

Tania disse...

Só estas histórias para me fazerem rir à gargalhada... e depois quando vieres embora como vão ficar as nossas histórias? Os londrinos não são personagens tão ricas como o nosso povão...

Enviar um comentário